Skip navigation

Tag Archives: ovo de Páscoa

o primeiro casal

no ovo universal

 

edward-burne-jones-18751

Dois dos cinco painéis de

The Days of Creation

de 

Edward Burne-Jones

 

»»»» Graças ao email de  Mario Capelluto e Ida Aranha – inexcedíveis na delicadeza, na partilha – ficámos ainda a saber  ( reproduzimos uma pequena parte do magnífico email-prenda pascal):

 

 

Ovo – Símbolo da Páscoa

É sugerido por alguns historiadores que muitos dos actuais símbolos ligados à Páscoa (especialmente os ovos de chocolate, ovos coloridos e o coelhinho da Páscoa)  são resquícios culturais da festividade de primavera em honra de Eostre que, mais tarde, foram assimilados pelas celebrações cristãs do Pessach, depois da cristianização dos pagãos germânicos. Contudo, já os persas, romanos, judeus e armênios tinham o hábito de oferecer e receber ovos coloridos por esta época.

Um ritual importante ocorria no equinócio da primavera,  onde os participantes pintavam e decoravam ovos (símbolo da fertilidade) e os escondiam e enterravam em tocas nos campos. Este ritual foi adaptado pela Igreja Católica no principio do 1º milênio depois de Cristo,   fundindo-o com outra festa popular  chamada de Páscoa.

A tradição de presentear com ovos – de verdade mesmo – é muito antiga. Na Ucrânia,  por exemplo, centenas de anos antes de era cristã já se trocavam ovos pintados com motivos de natureza – lá eles têm até nome, pêssanka – em celebração à chegada da primavera.

Os chineses e os povos do Mediterrâneo  também tinham como hábito dar ovos uns aos outros para comemorar a estação do ano. Para deixá-los coloridos, eram levados para cozinhar com beterrabas.

Mas os ovos não eram para ser comidos. Eram apenas um presente que simbolizava o início da vida. A tradição de homenagear essa estação do ano continuou durante a Idade Média entre os povos pagãos da Europa.

Eles celebravam Ostera,  a deusa da primavera, simbolizada por uma mulher que segurava um ovo em sua mão e observava um coelho, representante da fertilidade, pulando alegremente a seus pés.

 

Ovos de chocolate

Os cristãos se apropriaram da imagem do ovo para festejar a Páscoa, que celebra a ressurreição de Jesus.     Na época, pintavam os ovos (geralmente de galinha, gansa ou codorna)  com imagens de figuras religiosas, como o próprio Jesus e sua mãe, Maria.

Na Inglaterra do século X, os ovos ficaram ainda mais sofisticados. O rei Eduardo I  (900-924) costumava presentear a realeza e seus súbditos com ovos banhados em ouro ou decorados com pedras preciosas  na Páscoa. Não é difícil imaginar por que esse hábito não teve muito futuro.

Foram necessários mais 800 anos para que, no século XVIII, confeiteiros franceses tivessem a idéia de fazer os ovos com chocolate  – iguaria vinda da então recém-descoberta América.  Surgido por volta de 1500 a.C., na região do golfo do México,   o chocolate era considerado sagrado pelas civilizações Maia e Asteca.  A imagem do coelho apareceu na mesma época, associada à fertilidade por causa de sua grande prole.

 

»»»»**** Absolutamente a não perder: especial Páscoa.