Skip navigation

Category Archives: poesia

 

 

podiamsermais

 

(… e ainda mais serão!)

 

psm

 

»»»*** podiamsermais – título do primeiro livro de poemas de carlos peres feio – publicado em Outubro de 2007 -, seguiu-se-lhe, em Fevereiro último,  baloiçArte.

 

»»»***  para conhecer mais poesia de carlos peres feio ver

chinesa do norte-produções no scribd:

*** psm um

*** psm dois

*** psm três

*** psm quatro

*** versos de cpf

*** versos de cpf-2

*** manuscritos de cpf

 

»»»»**** “traço cpf que por aí anda” – ainda no scribd, também  de chinesa do norte-produções:

 


 

Anúncios

 

 

Cristo

 

(do blog: carlosperesfeio)

 

 

carlosperesfeio-2009-cristo

 

 

Em Cristo, Santa Páscoa 

para todos.

 

Especial abraço para o nosso velho camarada,

todos nós lhe desejamos, meu Amigo, a Si,

e  Seus familiares

tempos D’Ouro.

(tacão direito batido, licença para retirar, meu Tenente)

 

 

 

Trás-os-Montes

 

 

tras-os-montes1

 

tm21

 

tm3

 

tr4

 

tm5

 

tm6

 

Eu amo Trás-os-Montes naquele silêncio das florestas e das estradas afastadas que aguardam ora a neve, ora o pavor do Verão. Amo-o ainda mais quando vejo a cor da terra e a sombra dos seus castelos em ruínas, quando suspeito o fundo dos rios, os recantos junto dos açudes e a altura das árvores. E perco-me desse mal de paixão, quando, de longe, Trás-os-Montes se assemelha vagamente a uma terra prometida aos seus filhos mais distantes, ou mais expulsos, ou mais ignorados, ou mais mortos apenas. E amam-se aquelas árvores porque vêm do interior da terra, justamente, sem invocar a sua antiguidade ou a sua grandiosidade. Ama-se o frio, até, o esplendor das geadas sobre os lameiros, o sabor da comida que nunca perdeu a intensidade nem a razão. E amam-se os rios, os areais, os poços das hortas, as cancelas de madeira que vão perdendo a cor, e talvez se amem o fogo das lareiras, os ramos mais altos dos freixos e das cerejeiras, os jardins abonecados das suas cidades, o granito das casas, o cheiro das aldeias onde ao fim da tarde se chama paz ao silêncio e se dá nome de chuva à água do céu.

 

Francisco José Viegas, excerto de “Trás-os-Montes – Uma estrada no meio dos bosques”, dedicado a Manuel Hermínio Monteiro,  em “A Escrita dos Sítios”, Expresso, 11 de Novembro de 2000.

 

 

 

onde

 

 

 

 

ar-de-moinhos

 

 

auto-retrato-ii

 

 

a-1-anjo

 

 

 

baloicarte

 

 

 

convite-de-cpf

 

 

versos-e-desenho-de-cperesfeio