Skip navigation

Category Archives: escrita

 

George Sand

 

(desenho retirado do caderno de Musset)

 

 
george-sand1

 

  O Sentimento que nos uniu compõe-se de tantas coisas que não se pode comparar a nenhum outro. O Mundo jamais poderá compreender.

 

George Sand em Cartas de Amor, Alfred de Musset e George Sand. Tradução de Margarida Vale do Gato. Relógio D’Água

 

 

 

Num tempo degradado como o nosso, todas as fontes estão ocultas. A tarefa do poeta é desocultá-las. Tudo o que nos saia das mãos sem esse sabor original são só palavras a mascarar a palavra, miséria que nos impede até de ouvir a magnífica e alta música do silêncio.

Eugénio de Andrade, em Rosto precário, Poesia e Prosa (1940-1980), Porto

.


A escrita é a mão, portanto, é o corpo: as suas pulsões, os seus controlos, os seus ritmos, os seus pesos, os seus deslizes, as suas complicações, as suas fugas, em resumo, não a alma (pouco interessa a grafologia), mas o sujeito carregado com seu desejo e com seu inconsciente.

 

Roland Barthes, em O Grão da Voz, Edições 70