Skip navigation

Category Archives: desenho

 

 

podiamsermais

 

(… e ainda mais serão!)

 

psm

 

»»»*** podiamsermais – título do primeiro livro de poemas de carlos peres feio – publicado em Outubro de 2007 -, seguiu-se-lhe, em Fevereiro último,  baloiçArte.

 

»»»***  para conhecer mais poesia de carlos peres feio ver

chinesa do norte-produções no scribd:

*** psm um

*** psm dois

*** psm três

*** psm quatro

*** versos de cpf

*** versos de cpf-2

*** manuscritos de cpf

 

»»»»**** “traço cpf que por aí anda” – ainda no scribd, também  de chinesa do norte-produções:

 


 

Anúncios

 

 

Amadeo de Souza Cardoso

 

(museu em Amarante)

 

amadeo-de-souza-cardoso

 

Procissão Corpus Christi

1913, óleo sobre madeira

30×50

 

»»»*** Nossa leitura: este ensaio.


 

 

Cristo

 

(do blog: carlosperesfeio)

 

 

carlosperesfeio-2009-cristo

 

 

Em Cristo, Santa Páscoa 

para todos.

 

Especial abraço para o nosso velho camarada,

todos nós lhe desejamos, meu Amigo, a Si,

e  Seus familiares

tempos D’Ouro.

(tacão direito batido, licença para retirar, meu Tenente)

 

Abel Salazar

 

 

as

 

 

Os tres da vida airadaCócó, Ranheta e Facada

1910, 21×11,4cm

 

 

De Abel Salazar, disse Ferreira de Castro:

« Pela variedade e brilho dos dotes, inclusive os científicos, aparentava-se a alguns dos grandes artistas da Renascença”

 

Casa-Museu Abel Salazar

Rua Dr. Abel Salazar

São Mamede de Infesta – Matosinhos

 

George Sand

 

(desenho retirado do caderno de Musset)

 

 
george-sand1

 

  O Sentimento que nos uniu compõe-se de tantas coisas que não se pode comparar a nenhum outro. O Mundo jamais poderá compreender.

 

George Sand em Cartas de Amor, Alfred de Musset e George Sand. Tradução de Margarida Vale do Gato. Relógio D’Água

 

 

ALMADA

 

almada1

 

Meninas sentadas lendo

óleo sobre tela

1050×1010 mm

n.ass.; n.dat.

col. particular, Lisboa

 

em ALMADA a cena do corpo, Centro Cultural de Belém

 

 

Almada

 

(auto-retrato. exposição de caricaturas, 1913. desenho publicado em 

O Século Cómico de 20-3-1913)

 

almada

 

 

 

Ser autor é o caso mais sério que se regista na história da inteligência humana. Ser autor é, depois de saber tudo o que se conhece, trazer-nos inédito o que ainda pertence ao conhecimento geral. O que é efectivamente permanente e quotidiano é a presença individual humana, o caso pessoal de cada um de nós. É esta a única base e o único fim de toda a sociedade.

Eu gosto de procurar sozinho para me encontrar com todos. Não nos esqueçamos nunca de que o destino de cada indivíduo é, afinal, o único acontecimento importante inédito que sucedeu no mundo, no presente e nas gerações.

 

José de Almada Negreiros, em Almada, a cena do corpo. Centro Cultural de Belém

 

 

 

 

ar-de-moinhos

 

 

desejo

 

 

a-1-anjo